PRORROGAÇÃO – Chamada para Edição Especial da Revista Brasileira de Agroecologia

Share

Prezadas/os,

Informamos a extensão do prazo para submissão das narrativas para o dia 14 de agosto de 2017. Nossa orientação é que todos os NEAs, que já concluíram os textos, façam a submissão o quanto antes, pois esse procedimento garante o início do processo de revisão e agiliza a devolução dos textos (com sugestões e correções) aos autores.

Esperamos que a prorrogação possa garantir a finalização e revisão coletiva dos textos pelos membros dos NEAs e que novas narrativas possam se somar à esta Edição Especial dedicada a Sistematização de Experiências.

Abaixo, retomamos as orientações para a elaboração dos textos e para a submissão no site da Revista.

Obs: Reiteramos a necessidade do resumo e das palavras chaves também em inglês.

Abraços,

Equipe do Projeto de Sistematização (sistematiza.aba@gmail.com)

Orientações para Elaboração dos Produtos Finais

Foto: exercício com a Matriz de Sistematização – Oficina NEA Arandu (IF Santa Teresa – ES)

Faça download dos documentos:

 

  1. Contextualização

Desde setembro de 2015 a ABA-Agroecologia, por meio do projeto de Sistematização de Experiências, vem realizando atividades com os Núcleos de Estudos em Agroecologia (NEAs) e Redes de Núcleos (R-NEAs) das cinco regiões do país. Com o processo de sistematização participativa objetiva-se refletir sobre as experiências dos Núcleos e identificar as lições para a ampliação da agroecologia, especialmente a partir da proposição e aperfeiçoamento de políticas públicas e do aprimoramento dos processos de construção do conhecimento agroecológico.

As referências sobre a sistematização de experiência apontam que qualquer que seja o processo escolhido para sistematizar deve-se prever ações de comunicação de seus resultados. “A comunicação de tudo o que foi analisado e refletido durante o processo de sistematização da experiência é um imperativo ético[1]. A reflexão que gesta uma nova prática social transformadora precisa ser comunicada amplamente e de forma clara e acessível. É preciso elaborar um produto inovador para gerar curiosidade e interesse pela sistematização. O produto deve ser pensado a partir do público prioritário a ser atingido. Inclusive partilhando o método utilizado[2].

A comunicação da sistematização é, portanto, um processo substancial, não sendo secundário e optativo. A elaboração dos produtos para a comunicação permitirá realizar uma nova “objetivação” do vivido, que enriquecerá ainda mais o processo de pensar e transformar nossas práticas. Uma forma importante de comunicação é a redação de documentos escritos, onde pode-se recorrer a toda forma imaginativa/criativa que torne comunicável a experiência: teatro, fábula, gráficos, pequena história, cordel, poesia, novela, etc. Qualquer que seja a opção do formato utilizado para comunicar a sistematização, deve-se levar em conta a quem é dirigido esse material e para que ele é produzido.

  1. Orientações Gerais:
  • Além de outros produtos de comunicação possíveis, a ABA-Agroecologia está convidando a cada NEA envolvidos com os processos de sistematização (seminários regionais e oficinas de sistematização) que elabore um artigo escrito no formato de narrativa da sistematização realizada.
  • Para além dos 16 NEAs, que estão tendo seus processos de sistematização diretamente acompanhados pelo projeto, todos os NEAs, NEAs-pesca, R-NEAs e CVTs estão convidados a submeter narrativas relacionadas à processos de sistematização realizados pelos NEAs.
  • Os artigos serão avaliados por pelo menos dois revisores e, se aceitos, serão publicadas em uma edição especial da Revista Brasileira de Agroecologia (RBA). A equipe de pareceristas seguirá em diálogo com os/as autoras para envio dos pareceres e acompanhamento dos ajustes nos textos.
  • No caso dos 16 NEAs que estão sendo acompanhados pelo Projeto de Sistematização, alertamos que, no momento de escrever o artigo, todo o processo de sistematização, e não apenas o momento da oficina, deve ser considerado.
  • A reflexão e a análise do processo de construção do conhecimento agroecológico – foco das sistematizações, deve se dar a partir da compreensão da pluralidade de metodologias e processos educativos utilizadas no desenvolvimento das ações dos NEAs e de suas contribuições para a indissociabilidade entre ensino, à pesquisa e a extensão.
  • Solicitamos aos NEAs que considerem a matriz de sistematização (ANEXO 01) construída pela ABA, com seus vários temas gerais e temas transversais, no momento de escrever o artigo. Salientamos, entretanto, que as perguntas da matriz são orientadoras e devem ser utilizadas para estimular os diálogos, reflexões e registros. Portanto, as perguntas não precisam ser respondidas à risca, como se fosse um questionário e os temas podemos ser priorizados.
    1. É importante que os núcleos utilizem pelo menos um tema da Matriz para a escrita das narrativas. Se a opção for por apenas um dos temas da matriz, sugerimos que este seja “processos educativos”.
    2. Os autores podem e devem apresentar as relações existentes entre o(s) tema(s) da matriz tratados no texto.
  1. O que uma narrativa?

“Contar história sempre foi a arte de contá-las de novo, e ela se perde quando as histórias não são mais conservadas. Ela se perde porque ninguém mais fia ou tece enquanto ouve a história (…) pois um acontecimento vivido é finito, ou pelo menos encerrado na esfera do vivido, ao passo que o acontecimento lembrado é sem limites, porque é apenas uma chave para tudo o que veio antes e depois” Benjamin, W. (1994). Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política (7aed.). São Paulo: Brasiliense.

3.1. Caracterização Geral da Narrativa:

  • A narrativa é uma modalidade de texto comprometida com a reconstrução da história a partir da linguagem.
  • Maioritariamente escrito em prosa, o texto narrativo é caracterizado por narrar uma história, ou seja, contar uma história através de uma sequência de várias ações reais.
  • A narrativa reconstrói o percurso da experiência vivida. Portanto, a narração é um relato organizado de acontecimentos.
  • Na narração, deve-se evitar que os acontecimentos se amontoem, sem nenhum significado.
  • Estimula-se a selecionar fatos relevantes, evitando-se, quando possível, generalizações. São apresentados os elementos principais relacionados diretamente à experiência narrada.
  • Nos textos narrativos, é através da voz do narrador que conhecemos o desenrolar da história e as ações das personagens, mas é através da voz das personagens que conhecemos as suas ideias, opiniões e sentimentos. A forma como a voz das personagens é introduzida na voz do narrador é chamada de discurso.

3.2. A narração envolve:

  • Quem? Pessoas – sujeitos das experiências.
  • O quê? Ações, atividades, fatos.
  • Quando? Recorte temporal no qual a experiência ocorreu.
  • Onde? O lugar da realização da experiência.
  • Como? O modo como se desenvolveram os acontecimentos.
  • Por quê? A causa dos acontecimentos.

Consideramos que através da narrativa, podemos nos aproximar da experiência, tal como ela é vivida pelas/os narradoras/es, pois a modalidade da narrativa mantém os valores e percepções presentes na experiência narrada, contidos na história do sujeito e transmitida a quem lê. O narrador não “informa” simplesmente sobre a sua experiência, mas conta sobre ela, dando oportunidade para que o outro a escute e a transforme de acordo com a sua interpretação, levando a experiência a uma maior amplitude (Dutra, p.373, 2002)[3].

 

  1. Normas gerais para a publicação: diretrizes para Autores

A Revista Brasileira de Agroecologia (RBA) é uma publicação virtual da ABA-Agroecologia. A publicação do número especial do Projeto de Sistematização seguirá as normas de diagramação estabelecidas pela Revista (ANEXO – 02), com as devidas adaptações necessárias às exigências do projeto de sistematização.

 

4.1. Normas Gerais para Submissão

  • Os autores dever cadastrar-se no site e submeter a contribuição como AUTOR (em português), eletronicamente, através do endereço:

http://www.aba-agroecologia.org.br/revistas/index.php/rbagroecologia/author

  • Em cada uma das regiões haverá um membro da equipe do Projeto de Sistematização definido para o apoio e acompanhamento desse processo.
  • Os arquivos para submissão estão em formato Microsoft Word (.doc ou .docx), Rich Text Format (.RTF) ou OpenOffice.org 1.0 Text Document (.sxw ou .odt) Los archivos de presentación están en formato Microsoft Word (.doc o .docx), Rich Text Format (.RTF) ou OpenOffice.org 1.0 Text Document (.sxw ou .odt).
  • Todos os manuscritos devem ser escritos na língua portuguesa, com redação correta e revisada. Erros de concordância, gramática, ortografia, entre outros, podem conduzir a interpretações equivocadas e serem igualmente razões de revisões do manuscrito. A responsabilidade da boa escrita e revisão da língua é das/os autores.
  • Como qualquer periódico científico, a RBA não tolera qualquer forma de plágio (total, parcial ou conceitual). No caso de identificação de plágio, os autores plagiados serão informados e os autores do plágio serão bloqueados.
  • A submissão e publicação de manuscritos na RBA serão realizadas sem custos para os autores e é de acesso livre aos leitores.

 

  1. Orientação Geral para a estruturação dos artigos
  • Tamanho: No máximo 20 páginas.
  • Autores/as: a revista aceita no máximo cinco autores por artigo, mas se for necessário incluir mais autores, deve solicitar aos editores e  apresentar justificativas. É importante que a identificação dos autores/as contemple todas e todos que efetivamente se comprometerem com a elaboração, revisão e aprovação coletiva dos relatos.
  • Título: Este item deve ser atraente e conciso e deve estar diretamente relacionado à experiência sistematizada.
  • Resumo: Deve-se fornecer, de forma sucinta, informações sobre a importância da sistematização para a construção do conhecimento agroecológico do NEA; o objetivo geral da sistematização para o NEA; a metodologia desenvolvida e; principais aprendizados identificados. Neste item não é permitido nenhum tipo de citação bibliográfica. No máximo caracteres. Deverá conter no máximo 1000 caracteres.
  • Palavras chaves: Serão permitidas até quatro palavras-chave que não estejam repetidas no título. Devem ser alocadas logo abaixo do resumo.
  • Abstract e keywords: Resumo e palavras chaves, com as mesmas orientações acima, em inglês.
  • Reconstrução Histórica: Deve-se apresentar o contexto no qual a experiência está inserida e os principais marcos históricos. Aqui é o momento onde os elementos, informações e memórias reconstruídas durante o Rio do Tempo (metodologia construída durantes as oficinas de sistematização) podem ser abordados.
  • Caminhos Metodológicos: Apresentar os processos utilizados para realizar a sistematização e os temas/eixos escolhidos para sistematizar.
  • Reflexões: Procure apontar as lições, positivas e negativas, que emergiram com o processo de sistematização. Apresente também os desafios e gargalos identificados durante o processo de sistematização. Especificamente, procure identificar e refletir sobre os principais alcances e desafios relacionados às políticas públicas em agroecologia e sobre a construção do conhecimento agroecológico. Abordar os principais aspectos da experiência a partir do diálogo com os temas priorizados da matriz de sistematização.
    • OBS: a reconstrução histórica, a metodologia e as reflexões podem ter subtítulos, de acordo com os procedimentos, resultados encontrados e ou com os temas da matriz da sistematização.
  • Lições Aprendidas – Considerações finais: Deve apresentar os resultados e as lições mais relevantes, relacionando-os aos objetivos da sistematização da experiência e aos temas da matriz. Se for possível, aponte os possíveis caminhos vislumbrados para a superação dos desafios e gargalos encontrados. Procure apresentar algumas conclusões. Se possível apresente-as no tempo presente,
  • Agradecimentos: Deve ser listado todo tipo de apoio financeiro, técnico ou humano utilizado para a realização da sistematização.

 

  1. Cronograma para o lançamento do número especial:

Cronograma para o lançamento do número especial Etapa

Data

Submissão dos artigos

30 de julho

 

Devido ao intenso processo de revisão dos textos e de finalização dos demais produtos do projeto, serão considerados apenas os textos que forem submetidos até a data indicada, 30 de julho. A submissão pode ser realizada antes do prazo final e isso colabora, agilizando o processo de revisão.

 

  1. Contato

Para mais informações:

Sistematiza.aba@gmail.com

Natália: (22) 99918-3906.

 

[1] Trem da Sistemtização – publicação do Centro de Formação e Apoio a Assessoria Técnica em Economia Solidária na Região Sul do Brasil (CFES-SUL): http://www.cepalforja.org/sistem/bvirtual/wp-content/uploads/2015/09/Trem_da_sitematizacao_Anexo_B.pdf

[2] Jara, Oscar. Para sistematizar experiências: tradução de: Maria Viviana V. Resende. 2. ed. revista. – Brasília: MMA, 2006. 128 p.

[3] Para saber mais sobre narrativas: A narrativa como uma técnica de pesquisa fenomenológica: Dutra, E. Estudos de Psicologia 2002, 7(2), 371-378.

Sem categoria
Parceiros