Chamas acesas: que possamos ser luz

Share

Entre 13 e 14 de outubro, o território da Costa Verde (RJ) acolheu a segunda edição do Carrossel da Comunicação e da Cultura Popular. Como etapa preparatória ao I Encontro Diálogos e Convergências: Saúde e Agroecologia (Fiocruz/ANA/ABA), o processo de aprendizagem reuniu – no feriado chuvoso de Primavera – cerca de 40 pessoas.

Jovens dos territórios quilombolas, indígenas e caiçaras que animam e compõe o Fórum de Comunidades Tradicionais de Angra dos Reis, Paraty e Ubatuba conectados às juventudes da Universidade Federal Fluminense de Angra, da região Metropolitana do Rio de Janeiro (Magé e Vargem Grande), do Coletivo Permacultura Lab e do Núcleo Interdisciplinar de Agroecologia (UFRRJ/Embrapa Agrobiologia).

Ancestralidade, renovação política e redes de colaboração foram algumas das ideias que circularam pelo encontro que mostrou que é da diversidade, do afeto, do acolhimento e do respeito que muitos caminhos de resistência poderão ser florescidos na defesa dos territórios, dos direitos e da vida.

Facilitação Gráfica, Mídias Sociais, Produção Cultural e Escrita Criativa foram alguns dos espaços formativos desse Carrossel que contou com exercícios práticos, análises de conjuntura coletiva e ferramentas de planejamento colaborativo.

Em tempos de tantos desencontros e ataques à democracia e às pessoas, a realização do Carrossel e a oportunidade de aprender com as juventudes deste território, são conquistas que reacendem muitas esperanças.

Que possamos ocupar e reencantar processos, caminhar juntas e juntos e confiar nas nossas habilidades e potências: Sejamos Luz!

Para finalizar este agradecimento as juventudes, contamos sobre as colheitas: durante a oficina de escrita criativa, e ao longo de todos os espaços do Carrocel, muitos textos e ilustrações incríveis foram construídas pelas mãos dessa turma animada, e, entre tantos presentes maravilhosos, compartilhamos o texto de Raisa Francisco, do Quilombo Santa Rita do Bracuí, que nos inspira a seguir, cada vez mais, juntas e juntos!

 

Carta aos antepassados

Ontem eu sonhei

Sonhei que estava viajando

Viajei para um lugar onde estávamos livres

Livres das correntes de ferro

Livres das correntes do preconceito

Livres para sermos quem realmente somos

Mas eu acordei e percebi que não é bem assim

Ainda estamos presos

Presos pelas algemas

Presos pela intolerância

Não nos aceitam como somos e ainda querem nos punir

Só quero que saiba – NÃO VAMOS DESISTIR!

A força que te fez lutar, hoje está em mim

Não luto só com armas que fazem sangrar

A minha arma também acerta o coração e a mente

E me faz agir

Tudo que hoje eu sei

Sei que vieram de ti

 

  0 COMENTÁRIOS
Blog News notícias Página Inicial Sem categoria Uncategorized

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parceiros: