Fortalecer as parcerias e mobilização nos territórios: O IV ENA já começou!

Share

Integrar experiências no campo e na cidade, este é um dos grandes objetivos dos processos preparatórios em curso nas cinco regiões do país

E se nós disséssemos que o IV Encontro Nacional de Agroecologia (ENA) já começou? Através de seus encontros e processos de articulação nos territórios, nos preparamos para ocupar as ruas e praças de Belo Horizonte (BH). A capital mineira acolherá a culminância desse processo aberto e popular, realizado entre os dias 31 de maio a 03 de junho de 2018. Contará com uma diversidade de atividades, cores e sabores, manifestações de cultura popular, povos e comunidades vindas de todos os cantos do país e muita comida de verdade. A base de sua construção é o compartilhamento, o diálogo de saberes, o fortalecimento de nossas redes, a resistência perante um cenário político complexo e de fragilidade nos direitos conquistados.

Animado sob o lema Agroecologia e democracia: unindo o campo e a cidade”, o IV ENA é um encontro construído em rede, de forma colaborativa. O Encontro traz diferentes perspectivas de trabalho que se unem em um ponto comum: fortalecer o desenvolvimento e o enraizamento da agroecologia nos diferentes territórios. Convocado pela Articulação Nacional de Agroecologia (ANA) a partir de uma plenária realizada em abril de 2017 em BH, o processo de mobilização iniciou seu percurso. A previsão é reunir mais de 2000 pessoas no IV ENA, entre agricultoras e agricultores, povos e comunidades tradicionais, movimentos sociais, redes e núcleos de agroecologia, estudantes, técnicos, sociedade civil e todas as pessoas que desejam participar.

De acordo com Denis Monteiro, Secretário Executivo da ANA, o “ENA não é apenas um evento, mas é a culminância de um processo de discussão nos territórios e estados e esse momento será em 2018 na cidade de Belo Horizonte. É um processo já em curso, com os objetivos do IV ENA sendo debatidos, com a unidade em torno da agroecologia e da construção de um projeto político para o campo com base na agricultura familiar, camponesa, na reforma agrária, na defesa dos territórios das comunidades tradicionais”.

A ANA é formada por um conjunto de organizações que se articulam coletivamente a partir de 2002 para realizar o primeiro ENA. Composta por mais de 50 organizações – movimentos sociais do campo, das florestas e das cidades, redes e núcleos de agroecologia que atuam nos estados, sociedade civil e uma pluralidade de entidades, o maior objetivo para 2018 é promover o diálogo entre o campo e a cidade. Atualmente, a ANA articula vinte e três redes estaduais e regionais, que reúnem milhares de movimentos que impulsionam a agroecologia, além de quinze movimentos sociais de abrangência nacional.

 

Mobilização e resistência

Para Denis, a palavra chave deste momento que vivemos é mobilização, para que tenhamos a capacidade de criar mecanismos de defesa dos direitos que estão ameaçados, da garantia das conquistas dos últimos anos, de aprender com as experiências de luta que estão acontecendo nos territórios. Pensar na manutenção e aperfeiçoamento das políticas públicas voltadas às populações do campo e das cidades, aos núcleos de agroecologia, dentre outras. E, para isso, é necessário que todas as pessoas e organizações que constroem a agroecologia se engajem no processo – para que o próprio encontro se viabilize. Dentre as ações locais, destacamos a mobilização de recursos junto às prefeituras, governos municipais e estaduais, universidades e das próprias organizações para transportar as delegações e alimentos a serem doados para o encontro.

Sabemos que a comida de verdade é símbolo de nossa luta. O desafio de articular a produção de alimentos e compartilhar durante o encontro faz parte dela. O alimento que traz a memória e cultura dos diferentes povos e seus territórios, que nos nutre, protege a terra e finca nossa bandeira.

Os Núcleos de Agroecologia tem um papel fundamental nesse processo de mobilização, pois – enraizados em diferentes territórios – estão em constante contato com os diferentes sujeitos do campo e da cidade, acolhem a diversidade e semeiam a resistência no tripé ensino-pesquisa-extensão. Entendendo a construção da agroecologia enquanto ciência, movimento e prática, convergem e agregam uma grande riqueza de experiências, em todas as regiões do país. Mais de 154 NEAs mobilizam milhares de pessoas, grupos e coletivos.

“Realizar o IV ENA no contexto de crise política que vivemos é pura resistência. É um ENA de luta e precisamos adotar uma perspectiva colaborativa, de doação – tanto de alimentos e remédios caseiros quanto disponibilidade de trabalho. É importante que cada estado tenha pessoas de referência, para conectar-se com as articulações regionais e a comissão organizadora nacional”, afirma Irene Cardoso, presidente da Associação Brasileira de Agroecologia. Os NEAs podem apoiar na articulação e mobilização de pessoas, doações, recursos e, claro, participar ativamente de todo processo de construção.

 

Os ERÊs – Encontros Preparatórios Regionais

Como parte da estratégia de mobilização nos territórios a sugestão é que cinco Encontros Regionais de Agroecologia – os ERÊs, sejam realizados nas regiões, trazendo a energia e disposição criativa das crianças. O primeiro foi o Encontro Regional de Agroecologia da região Sudeste, em BH, realizado em outubro deste ano, reunindo cerca de 150 pessoas, maioria de agricultoras/es e jovens dos quatro estados da região.

“Foi importante realizar o ERÊ em BH para começar a vivenciar a cidade que acolherá o IV ENA, compreender a sua dinâmica e de seus movimentos sociais, do desenvolvimento da agricultura urbana e agroecologia nas periferias, que são muito fortes em BH”, afirma Denis. Momento também de intercâmbio entre as diversas experiências que acontecem nos estados da região, com segurança e soberania alimentar, por exemplo.

A ideia é que ocorra um Encontro por região até maio de 2018, preferencialmente entre fevereiro e março. O próximo será o ERÊ Amazônia, na cidade de Belém do Pará de 20 a 23 de fevereiro.

É importante destacar que todos os ERÊs serão realizados em grandes capitais, convergindo com a proposta do IV ENA – que é promover o diálogo e a troca de saberes entre o campo e a cidade, aproximar os diferentes sujeitos de cada território. Debater e mostrar que para produzir comida de verdade – no campo e na cidade – é preciso lutar pela garantia de nossos direitos, pelo acesso à políticas públicas – nos níveis federal, estadual e municipal, pela reforma agrária e a manutenção dos territórios dos povos e comunidades tradicionais. E que só conseguiremos construir esse projeto político pautado nos princípios da agroecologia se estivermos em rede.

O processo de sistematização das redes de agroecologia que atuam nos territórios, fortalecido também pelos núcleos, é importante para olharmos a sua trajetória e conquistas, os anúncios e denúncias dos locais que estão inseridos. Fundamental para comprovar a capacidade da agroecologia produzir, com fartura, alimentos de qualidade, sem o uso de agrotóxicos e sementes transgênicas, conservando as águas, os solos, a biodiversidade e com respeito às pessoas e aos ecossistemas.

Promover o diálogo e a troca, pensar em conjunto os movimentos sociais urbano e do campo, a defesa ao direito à cidade, soberania e segurança alimentar e nutricional, o papel fundamental da juventude, formas criativas de resistir ao cenário que vivemos. Colaborar – uns e umas com as outras, entre coletivos, defender os espaços públicos, garantir um futuro próspero para o desenvolvimento da agroecologia. Estes são alguns dos motivos que nos levam a participar, colaborar e construir o IV ENA.

Para saber como você pode participar desse processo, entre em contato com as antenas da sua região, que seguem abaixo.

Nordeste: Alexandre Pires – Centro Sabiá (PE)

alexandre@centrosabia.org.br / (81) 9945-0600

Caê (Carlos Eduardo Leite) – Sasop (BA)

caesleite@sasop.org.br / (71) 9204-0898

Verônica Santana – MMTR-NE

veronicaassentada@hotmail.com / (81) 9839.8420

Centro-oeste: Cidinha – FASE (MT)

cidinha.fase@terra.com.br / (65) 9972-4969

Norte: Fabio Pacheco

pachecofp@gmail.com / (98) 8813-5749

Sul: Nayara Bittencourt – Terra de Direitos (PR)

naiara@terradedireitos.org.br / (41) 9909-4692

Israel Lourenço – Rede Ecovida (PR)

israellourenco29@gmail.com / (42) 99801-2437

Sudeste: Ana Cristina – ANA (MG)

annacrys_3@yahoo.com.br / (38) 9155-0377

Marcos Jota – Rede M

marcos@redemg.org.br / (31) 7161-4250

Secretaria Executiva: Danúbia Gardênia – Rede MG

danubiagardenia@gmail.com / (31) 99913-3952

Leia a Carta Convocatória do IV ENA na íntegra aqui: http://www.agroecologia.org.br/files/2017/11/CARTA_CONVOCATORIA_IV_ENA-1.pdf

Agroecologia e Democracia: unindo o campo e a cidade.

Nos vemos lá!

 

Texto: Luiza Damigo

Blog News notícias Página Inicial

Parceiros: