GT Juventudes

O reconhecimento da\o jovem como sujeito de direito é algo recente no Brasil. Na perspectiva da agenda federal foi a partir de 2005, no governo Lula, que se ampliou Políticas Públicas específicas para as juventudes, a exemplo do REUNI, PROUNI, Ciências sem fronteiras e outras. Em 2010, tivemos a inclusão do termo jovem na constituição federal e, em 2013, a aprovação do Estatuto da Juventude. As conferências municipais, territoriais, estaduais e nacional de juventude também foram um passo importante na construção coletiva e democrática de políticas públicas para\com as juventudes. Foi a partir da última conferência de juventude realizada em 2015 que tivemos a elaboração do Plano Nacional de Juventude e Sucessão Rural.

Com o objetivo de desenvolver ações e contribuir com o debate sobre as juventudes e sua participação na construção e execução de políticas públicas foi criado em 2016, o GT Juventudes da ABA-Agroecologia.

Em processo embrionário e de catalização de novas representações que contemplem as diversidades das juventudes para compô-lo, o GT Juventudes tem como princípios:

  • Considerar juventude(s), no plural, evidenciando a diversidade e formas de ser jovens. Pois cada jovem tem sua experiência juvenil influenciada pelas diferenças socioculturais, por sua etnia, pelo seu gênero, pelo território dentre outras;
  • A composição do GT e a mobilização das juventudes deverá ser realizada em sua diversidade, garantindo participação de meninas e meninos, povos e comunidades tradicionais (indígenas, quilombolas, gerazeiros, pescadores, assentados, acampados, ribeirinhos, vazanteiros, etcs.), LGBTS, afrodescendentes, jovens urbanos/as, jovens rurais.

O GT Juventudes promove a discussão dos seguintes temas:

  •    Análise sobre políticas públicas de Juventudes;
  •    Dar visibilidade às experiências de coletivos de jovens na Agroecologia;
  •    Sucessão Rural – Projetos e ações que contribuem para a permanência dos jovens em seus territórios;
  •    Acesso a terra;
  •    Agricultura Urbana ;
  •    Participação dos jovens nos espaços de tomadas de decisões;
  •    Educação do campo, educação contextualizada no campo e na cidade;
  •    Direito à diversidade sexual das juventudes no campo e na cidade;
  •    Igualdade de gênero e feminismo;
  •    Luta contra o machismo e o patriarcado;
  •    Comunicação e cultura como direito;
  •    Pautar ações em Rede que fomentem projetos em âmbito nacional para a geração de renda para/com as juventudes do campo e da cidade envolvidos na Agroeocologia.

Contatos GT Juventudes:

Giuseppe Bandeira – giubandeira@gmail.com

Makeda Dyese – makeda.dyese@gmail.com

 

 

Parceiros