Somos resistência!

Share

II Encontro dos NEAs acontece no pré XI CBA com intercâmbio territorial e representatividade de grupos de todo o país

Por Natália Almeida e Gleidane Souza

Edição Carú Dionísio e Giuseppe Bandeira

Durante os dias 31 de outubro a 3 de novembro de 2019 os Núcleos de Agroecologia (NEAs) estiveram reunidos em Sergipe celebrando, pela terceira vez consecutiva, os encontros periódicos nos Congressos Brasileiros de Agroecologia realizados pela Associação Brasileira de Agroecologia (ABA-Agroecologia). Em 2019, o encontro foi articulado ao Curso “Diálogos sobre construção do Conhecimento Agroecológico e Núcleos de Agroecologia”, que reuniu cerca de 30 participantes e que teve como dimensões centrais as metodologias de intercâmbio, troca e construção coletiva do conhecimento agroecológico.

Não se trata apenas de mapear ou refletir sobre os diferentes métodos de pesquisa, ensino e extensão, mas de aprofundarmos quais são os princípios que orientam nossa prática militante no chão das universidades, IFs e escolas e nas comunidades, assentamentos, quilombos…”. Esse trecho de uma das conversas no encontro-curso, traduz o sentimento que circulou pelos quatro dias de trocas entre estudantes, pesquisadoras/es, agricultoras/es e demais parceiros presentes. O curso foi realizado no Centro Bom Pastor, no bairro do Forte em Aracaju, e foi organizado pelo Grupo de Trabalho de Construção do Conhecimento Agroecológico da ABA-Agroecologia, em diálogo com a diretoria da Associação, e em parceria com experiências da Rede Sergipana de Agroecologia. Ao total, 21 NEAs participaram do encontro, conferindo uma representatividade importante dos biomas e das regiões do país. 

Resiliência dos elos já conectados à rede, novos horizontes dos elos que chegam

A primeira noite do encontro foi dedicada à apresentação das pessoas que já haviam chegado, movimento que se estendeu até a manhã do primeiro dia. Da região Norte tivemos a presença de Joana Dias (CVT Agroecologia – AC),  Francisco Péricles (NEA da UERR – RR), Leisangela Silva (NEA da UERR – RR), Romier da Paixão (ABA –  NEA do IFPA) e Diego (NEA da Amazônia – PA).  Do Centro-Oeste estavam de Henderson Nobre (Grupo de Agroecologia – MT), Diogo (GO) e Deildes (NEA Candombá – DF)

Do Nordeste participaram Virginia Aguiar (Núcleo de Agroecologia e Campesinato – PE), José Nunes (Núcleo de Agroecologia e Campesinato – PE) , Erica Filgueiras (Núcleo de Estudos em Agroecologia e Nova Cartografia Social – BA), Franklin Carvalho (Núcleo de Estudos em Agroecologia e Nova Cartografia Social – BA), Asaph Natan (NEA Trilhas – BA), Marinho (MST – SE), Rabanal (RESEA), além das fiandeiras Duda, Luiza, Jeane e José.

Do Sudeste vieram  Raphael Fernandes (ECOA – MG), Cadu (NEA Apetê Caapuã – SP), Fernando Franco (NEA Apetê Caapuã – SP), Marialina Clapis (NEA Apetê Caapuã – SP), Victória Schwans (NEA Apetê Caapuã – SP) e Cristiane Betanho (UFU – SP), e as fiandeiras Jaqueline e Rogério. E, da região Sul, Grazianne Ramos (Rede SAFAS – PR/SC/RS), Ilyas Siddique (Rede SAFAS – PR/SC/RS), Andrea Delwing (NEAVI – SC), Geovanni Ledra (NEAVI – SC), Hugo Gomes (NEAVI – SC) e Alice Vriesman (CVT Lama – PR).

Com nomes e sobrenomes, essas pessoas tecem cotidianamente diversas experiências locais em torno da Agroecologia. Nesse tecer contínuo, percebemos a presença de pessoas parceiras da Rede dos NEAs desde o lançamento dos primeiros editais e a aproximação de novos grupos, em especial da região Amazônica e do Centro Oeste. É importante ainda registrar que muitas pessoas outras circularam pelo curso e pelo encontro, participando pontualmente de diálogos e contribuindo com a preparação final do Congresso. 

Nessa construção, tivemos a oportunidade de compartilhar o espaço com o processo de formação das fiandeiras, preparatório ao XI CBA facilitado por Lilian Pacheco, Marcio e uma equipe diversa de educadores/as, comunicadores/as, poetas e demais pessoas interessadas com o processo de fiação. Sendo um dos principais lastros metodológicos do XI CBA a pedagogia griô e o processo de produção de leituras sínteses a partir de múltiplas linguagens, a fiação representou um caldeirão criativo e metodológico. Foi uma oportunidade única de interação da rede de NEAs com pessoas e processos engajadas na construção do conhecimento a partir desses diálogos. Essa parceria resultou, entre outras conexões, na realização de uma celebração festiva, musical e poética que movimentou os dois grupos.  

A força que vem dos territórios: a experiência camponês a camponês em Sergipe

Durante o curso, os participantes tiveram a oportunidade de viver um intercâmbio no Assentamento Darcy Ribeiro, em Itaporanga D’Ajuda, sendo recebidos por Dona Gecira e Seu Cassiano em sua propriedade. Esse foi um momento partilhas de saberes e sabores, reflexões e trocas, onde os presentes puderam “sair da teoria” e entrar em contato com a realidade camponesa da região.

A família estava emocionada por acolher pessoas de diversas regiões do país, mostrando o orgulho de serem e estarem naquela terra, evidenciando a importância de, constantemente, nos deslocarmos de dentro das salas de aula e ampliarmos o contato com o conhecimento acumulado e renovado constantemente pelas famílias camponesas.

Foi possível conhecer a história da luta pela terra vivida na região de Itaporanga D’Ajuda, toda a diversidade existente no quintal da família, como conduzem os seus plantios e quais são as estratégias de comercialização possíveis de serem construídas. Seu Cassiano, fala da terra enquanto sustento da família e Dona Gecira traz a força que quem cuida do quintal cultivado e florido por meio de muita sabedoria e persistência devido à falta de água na propriedade. No relato dos dois a preocupação com a natureza, com a vida e com a comunidade.

Para Grazianne Ramos, doutoranda da UFPR e pesquisadora da Rede SAFAS, o encontro proporcionou várias reflexões, entre elas sobre: “a brevidade da vida e o acúmulo da luta, a necessidade adaptativa da agroecologia, as nossas formas de intervir e compreender a dinâmica do outro, as preferências de plantios/atividades do homem camponês e da mulher camponesa, as relações familiares e comunitárias/entre famílias mais próximas”, entre outras questões apontadas por Grazi que, atualmente, integra o GT de Saúde e Agroecologia da ABA.

Jorge Rabanal, integrante da Rede Camponês a Camponês de Sergipe e da Resea, acredita que o intercâmbio foi um momento muito rico para a família, principalmente devido a diversidade das pessoas participantes. Segundo ele “uma verdadeira oportunidade de percebermos o quanto as iniciativas de famílias camponesas potencializam a saída coletiva de problemas presentes na sociedade. E o quanto podemos buscar processos mais colaborativos para não depender tanto de recursos públicos” afirma Rabanal. 

Casa dos NEAs: ambiente de acolhimento, interação e experimentação pedagógica

Reconhecendo a importância dos Núcleos de Agroecologia na construção do conhecimento agroecológico e inspiradas nas instalações artístico-pedagógicas construídas pela Rede de NEAs no X CBA em Brasília, e pela Renda em Recife, a Casa dos NEAs foi um espaço permanente de trocas durante o XI CBA.

Durante os quatro dias de Congresso, a Casa proporcionou um ambiente de acolhimento, encontros, conversas, reuniões, rodas de conversa, oficinas, divulgação das atividades realizadas pelos Núcleos de todo o Brasil, e muitas outras interações tanto entre os Núcleos como também entre os visitantes que aos poucos iam (re)conhecendo o papel importante dessa grande teia.

Toda a organização do ambiente aconteceu de forma coletiva através de reuniões físicas e virtuais, com a presença de vários Núcleos na busca de uma construção conjunta e que garantisse a representatividade das regiões. A montagem do espaço da Casa dos NEAs também se deu de forma coletiva. Trazendo anúncios, sementes, boletins, fitas coloridas mostrando a diversidade de experiências dos Núcleos espalhados pelo país. 

As rodas de conversa foram os principais destaques da Casa durante os dias de congresso. Uma delas tratou da situação atual dos NEAs frente aos desafios do desmonte de políticas e das diversas estratégias de resistência que podem colaborar para continuarmos tecendo essa teia. O Mapa bordado dos NEAs, montado durante o Congresso, também coloriu a Instalação Pedagógica e foi bonito de ver as regiões sendo preenchidas de acordo com as temáticas trabalhadas por cada Núcleo, em um constante exercício de identificação das experiências e do trabalho em rede desenvolvido nos territórios. O mapa em tecido é uma das expressões dos processos de diálogo e interação propostas pela plataforma do Agroecologia em Rede, iniciativa animada pela ABA, ANA e Fiocruz e que, entre outras ações, provocou uma nova onda de sistematização das experiências dos NEAs que está disponível em: http://bit.ly/2S0M9LX 

Segundo a equipe de pesquisa da plataforma, “o Agroecologia em Rede permite visualizar os diferentes vínculos entre as experiências, identificar quem está próximo e os temas que estão sendo trabalhados, na expectativa de estabelecer ou fortalecer parcerias temáticas e territoriais”. Entre outros processos mapeantes que estão em curso há a iniciativa de identificação e sistematização das experiências de saúde e agroecologia e da Política Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) a partir do Projeto animado pela ANA e por outros parceiros chamado “Comida de Verdade”. Para saber mais sobre essa última ação, acesso: https://agroecologia.org.br/2019/10/10/lancamento-acao-comida-de-verdade-nas-escolas-do-campo-e-da-cidade-sera-lancada-em-diversos-estados/ 

Sementes em terra fértil: encaminhamentos e agendas para 2020

Tendo no horizonte nossos diálogos após o XI CBA, os temas mais presentes nas conversas de encaminhamento foram as relações de articulação e intercâmbio, a comunicação e o financiamento, a disputa conceitual, a crítica de que os NEAs não fazem ciência (apontando a indissociabilidade entre ensino, extensão e pesquisa), as estratégias de construir uma ciência engajada dentro das instituições e nas comunidades.

Como caminhos concretos de fortalecimento das ações em rede, surgiram propostas de ampliar as imersões nos territórios, ocupar estruturas de comunicação que já existem dentro e fora dos canais da agroecologia e a necessidade de fortalecer os diálogos com as redes parceiras da ANA – Articulação Nacional de Agroecologia nos territórios. 

A plenária final do Encontro dos NEAs apontou ainda a necessidade de seguir avançando na sistematização das experiências a partir dos Núcleos, com registros e sínteses das ações realizadas para além da produção de relatórios. Ampliar os estudos e reflexões sobre a ciência cidadã, crítica e militante e fortalecer o envolvimento dos NEAs com a ABA em cada região, a partir dos GTs e das vice presidências regionais, também foram duas ações destacadas.

Segundo Irene Cardoso, “uma de nossas maiores forças é justamente nossa diversidade; aproximação com os movimentos sociais e das lutas; como pensar na guerrilha da ciência, do movimento e da resistência; novas organizações, novas ideias; transdisciplinaridade, com arte, como agir em rede, parceria, mas junto com os movimentos sociais são questões que os NEAs podem amadurecer em reuniões e grupos de estudo, traduzindo essas preocupações em práticas”, afirma ela que é professora da UFV e integrante do GT de Construção do Conhecimento da ABA.

No campo dos desafios, uma ameaça identificada durante a conversa é a disputa do conceito de Agroecologia dentro da ciência a partir de ações concretas, na extensão e no ensino, sendo necessário ampliar o debate do conceito de agroecologia como ciência, movimento e prática a partir das nossas redes e do fomento de relações de parcerias.

Retornamos aos nossos territórios reabastecidas/os com a força da Agroecologia construída em rede e em diálogo de saberes grandes inspirações e legados deste XI CBA. Os NEAs que resistem nas instituições de ensino, pesquisa e extensão apontam novas e diversas formas da construção do conhecimento agroecológico e de enfrentamento aos desafios que seguem em múltiplas dimensões. Seguimos tecendo e colorindo o Mapa dos NEAs e re-existindo. 

Para acessar mais informações:

Relatoria completa do II Encontro Nacional dos NEAs

Fotos da Casa dos NEAs: 

https://www.facebook.com/pg/sistematizacaodeexperiencias/photos/?tab=album&album_id=2927945553979504

Fotos do Encontro dos NEAs Pré XI CBA: https://www.facebook.com/pg/sistematizacaodeexperiencias/photos/?tab=album&album_id=2930442997063093

Registro fotográfico na biblioteca da ABA:  http://bit.ly/2v6pzIX 

  0 COMENTÁRIOS
Sem categoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parceiros: