Território SUStentável

O projeto Território SUStentável, fruto da parceria entre o GT Agrotóxicos-Transgênicos da ABA-Agroecologia e o IPEN-Suécia, se propôs a trabalhar a temática da agroecologia e as problemáticas do uso de agrotóxicos com os profissionais da Atenção Básica do Sistema único de Saúde (SUS) ou de outros que atuem de forma territorial. Para atingir estes objetivos foram elaboradas 4 cartilhas e seus respectivos manuais, totalizando-se 8 materiais.
Acreditamos que estes materiais podem fornecer subsídios iniciais para o trabalho com a temática da agroecologia e as problemáticas do uso de agrotóxicos de forma ampla e não somente nos espaços institucionais de saúde, mas também em outros espaços nos quais se possa sensibilizar e mobilizar os profissionais em relação à urgência do trabalho destas temáticas junto às comunidades.

A Cartilha 1 e o Manual 1 têm como objetivos: problematizar as informações sobre agrotóxicos, gerando reflexões sobre o seu uso na produção de alimentos e seus verdadeiros impactos no meio ambiente, evidenciar impactos críticos do uso de agrotóxicos no ecossistema e desmistificar a associação entre esse modo de produção de alimentos e a segurança alimentar.

A Cartilha 2 e o Manual Instrutivo 2 têm como objetivos: informar, sensibilizar e mobilizar os profissionais de saúde sobre as principais características dos agrotóxicos, dos tipos de contaminação, sinais e sintomas, a notificação e conduta terapêutica a ser realizada; possibilitar o entendimento a respeito da associação do uso de agrotóxicos e os efeitos negativos dele na saúde humana e mobilizar os profissionais de saúde a reconhecer os riscos de contaminação humana por agrotóxicos no próprio território.

A Cartilha 3 e o Manual Instrutivo 3 têm como objetivos: incentivar formas de promoção de saúde por parte dos profissionais de saúde relacionadas a impactos do uso dos agrotóxicos; estimular o compartilhamento das informações adquiridas durante o processo formativo, dentre os profissionais de saúde e a população; desenvolver dinâmicas de educação em saúde para que estes profissionais possam mobilizar a população local sobre os riscos de contaminação por agrotóxicos e realizar dinâmicas de autocuidado e fomentar a participação social em espaços de participação, fomentando a Vigilância Popular Participativa para identificar riscos comunitários ligados a agrotóxicos.

A Cartilha 4 e o Manual Instrutivo 4 têm como objetivos: discutir sobre a temática da agroecologia e promover estratégias para se alcançar uma alimentação saudável nos territórios, livre de OGM (Organismos Geneticamente Modificados), introduzindo a discussão sobre Soberania Alimentar; mobilizar profissionais de saúde e os membros das comunidades para o cultivo e consumo de alimentos agroecológicos no meio urbano, enquanto garantia de Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), por meio de ações e nível local; motivar ações individuais ou grupais de desenvolvimento sustentável em seu território; possibilitar a geração de demandas por políticas públicas de SAN que fortaleçam a Soberania Alimentar das comunidades. Este material conta com um Mapa de Ações Solidárias e Agroecológicas no território.

Um comentário

Deixar uma resposta