As epidemias na história da cultura: a força do pequeno

Dra. Patricia Aguirre, Antropóloga, Instituto de Salud Colectiva. Universidad Nacional de Lanús, Argentina

Nestes tempos de coronavírus, o distanciamento e a angústia nos fazem refletir sobre doenças e a cultura, e talvez nos permita enfrentar melhor essa epidemia (que, por se espalhar pelo mundo, é chamada de pandemia) e as que sem dúvidas virão, se continuarmos vivendo como vivemos e pensando como pensamos.

Devemos começar salientando que o surgimento de epidemias só começa com as sociedades aldeadas e agrícolas, quando a quantidade de população é tal que a proximidade dos contatos entre as pessoas e as precárias condições de higiene de cerca de 10.000 anos atrás. A contaminação dos aquíferos por sua utilização múltipla (higiene, bebida, produção), a alimentação baseada em grãos e a estreita relação com os animais em processos de domestificação e, portanto, a seleção artificial, expuseram as populações humanas a doenças relacionadas a animais.

Não é que os caçadores-coletores não tenham adquirido algumas destas doenças, algumas típicas dos ambientes em que habitavam, mas sim, que estas não assumiram a forma epidêmica. Sem dúvida, as pandemias variam de acordo com a cultura, a idade e o meio ambiente, porque as doenças associadas a vermes (tênia, ancilostomíase) e protozoários que possuem insetos como vetores (o mosquito anófeles na malária e a mosca tsé-tsé na doença do sono ou Tripanossomíase africana), são problemas nos trópicos e não nos climas polares, onde os vetores não sobrevivem ao frio. Variam com a idade, porque doenças infecciosas e parasitoses geralmente são mais importantes na infância, embora também infectem adultos. À medida que a idade avança, doenças degenerativas aparecem nos ossos e articulações, como artrite, osteoartrite, osteoporose, desgaste dentário e fraturas por acidentes, que costumavam ser mais frequentes e mais graves, pois no passado uma fratura exposta terminava em morte devido a infecção.

Todas as doenças crônicas não transmissíveis, responsáveis principalmente pela incapacidade e morte nas sociedades de mercado, são desconhecidas ou muito raras nas sociedades de caçadores-coletores, que sofriam mais de febres transmitidas por artrópodes, diarreia, infecções gastrointestinais, respiratórias e infecções na pele. Até o contato com as populações urbanas, não existiam doenças como: difteria, gripe, sarampo, caxumba, coqueluche, rubéola, varíola e febre tifoide.

As características das doenças infecciosas que assolam os caçadores-coletores têm a ver com a baixa densidade populacional dos grupos, de modo que elas são crônicas ou se espalham intermitentemente, ao contrário de epidemias ou doenças de massa que são características de grandes populações sedentárias. A maioria das doenças infecciosas que adoecem os caçadores-coletores tem agentes compartilhados por seres humanos e animais (como o vírus da febre amarela que é transmitido de macacos infectados para seres humanos através de mosquitos selvagens que picam ambas as populações). Ou eles têm agentes capazes de se perpetuar no meio ambiente – como Clostridium tetanis, que causa tétano, que sobrevive no solo, água, fezes ou dentes de animais, ou Clostridium botulinum, que causa botulismo, que sobrevive no solo, água e comida. Isso se deve ao fato de que na maioria das vezes as fontes de água são usadas alternadamente para beber, limpar e cozinhar, de maneira que as reservas de água se tornem um importante veículo de infecção.

Muitas das doenças caçadoras-coletoras não são agudas, mas crônicas (Espondilitis anquilosante) ou têm baixa probabilidade de transmissão, como a hanseníase (hanseníase) e a bouba (Bouba tropical). O mais importante é que são doenças que, uma vez sofridas, não conferem imunidade permanente, possibilitando assim que a pessoa possa ser infectada novamente. Isso implica que essas doenças podem ser mantidas em pequenas populações, infectando os mesmos indivíduos repetidamente, a partir dos estoques no meio ou mesmo destes que carregam a doença de forma crônica. Convém mencionar estas diferenças para compreender a sinergia complexa entre ambiente, sociedade e epidemiologia.

As epidemias, como as conhecemos, aparecem em populações adultas, com moradias fixas e aglomeradas em vilas ou cidades que usam suas fontes de água de maneiras indistintas (para cozinhar e beber, para higienização de pessoas e ambiente ou para produção). Além disso, em geral, estas são populações alimentadas principalmente com grãos ou tubérculos ricos em amido e com pouca diversidade nutricional.

Nos ambientes onde as populações humanas e animais estavam em contato muito próximo com o processo de domesticação, algumas zoonoses cruzavam a barreira das espécies e permitiam que os micróbios dos animais se adaptassem aos seres humanos e evoluíssem para patógenos. Alguns deles não são particularmente prejudiciais aos animais que vivem com eles há milênios e é por isso que eles conseguiram desenvolver uma certa resistência. Mas eles se tornam mortais quando lhes damos a chance de colonizar nossos corpos, adaptar e evoluir. No passado, além de carne e leite, as vacas nos trouxeram o sarampo e tuberculose, porcos a coqueluche e os patos a gripe. Mas esta é apenas a história do agente.

Os seres humanos passaram a ser hospedeiros inesperados para essa vida microscópica apenas quando começamos a criar pequenos ecossistemas (parcelas) com a ilusão de controlar a produção de alimentos e superar a escassez sazonal e de médio prazo. É claro que, para isso, tiveram que destruir habitats selvagens para ampliar os cultivos. A intensificação da produção provocada pela agricultura e o acúmulo de excedentes (de quatro patas como pastores ou em grãos como agricultores) permitiram que a população se agregasse em vilas e cidades e mais crianças pudessem ser melhor alimentadas com mingau de cereal e sobrevivessem. E as mulheres pudessem sustentar gravidezes sucessivas (e sobreviver a ambas). O aumento da população, a escassez de alimentos, a água contaminada e os animais domesticados foi a combinação explosiva que transformou as doenças em epidemias e essas devastavam as populações regularmente quando o número de pessoas suscetíveis crescia e/ou quando um novo agente chegava à cidade.

Embora a fome tenha sido a principal epidemia que assolou a humanidade desde então, tanto por causas naturais (inundações, secas, insetos) como causas políticas (pobreza, falta de acesso a terras cultiváveis, impostos, guerras, escravidão), a capacidade de comer no futuro estava sempre em questionamento de tal maneira que, sem exagero, pode-se dizer que, desde a “invenção” da agricultura, a humanidade vivia em sociedades de restrição calórica, alternando períodos de abundância (“vacas gordas de Josué”) e escassez (vacas magras). Acumulação, apropriação de excedentes e diferentes formas de distribuição foram os meios mais ou menos criativos que encontramos para aliviar a fome (antes que da maioria, mas não das minorias!). E como uma população desnutrida é uma população imuno-deprimida (o sistema imunológico humano é composto de proteínas, justamente os alimentos mais caros), tanto agora como no passado, a possibilidade de resistir a doenças era muito limitada.

Com o transporte de espécies após a expansão colonial europeia, as epidemias devastaram continentes inteiros, a guerra bacteriológica que foi travada na América para a desgraça dos povos originários (todos suscetíveis, isto é, não expostos às doenças que os conquistadores trouxeram) eliminaram 90 % da população nos primeiros 100 anos de contato e permitiu a destruição e subjugação de muitas culturas. Não apenas na América, a destruição do habitat e a cultura originaria abriram caminho para epidemias. Na África, além do sangramento que representou 300 anos de escravidão, a destruição de ecossistemas e o contato com a vida selvagem permitiram que um lentivírus alojado em macacos do Congo aperfeiçoasse sua adaptação ao corpo humano por 300 anos, tornando-se HIV. Na Ásia, a extensão dos campos de arroz de inundação explorados por empresas britânicas levou à evolução de um pequeno habitante dessas águas salobras, transformando-se em cólera responsável por pelo menos sete epidemias, transmitida mundialmente pelos navios de sua graciosa majestade.

Hoje, quando o consumo conspícuo dos habitantes das megacidades grita por mais e mais mercadorias, sejam alimentos ou computadores, a mercantilização da natureza permite que mais e mais habitats sejam destruídos e seu presente envenenado (o que o mercado não deseja ver, por que ele não pensa em termos de sistema, mas de lucro) é que estamos – mais do que nunca – em contato com animais (domésticos e selvagens) e suas doenças. Só que a velocidade da comunicação, seja para bens ou pessoas, é tal que o que antes poderia ser um fenômeno local, agora tem a chance de se espalhar globalmente e se tornar uma pandemia.

A destruição de ecossistemas naturais pela extensão de cultivos aproxima os animais selvagens dos seres humanos, seja porque ambas as populações competem pelo mesmo espaço, seja porque os animais selvagens invadiram outras áreas devido ao deslocamento forçado (guaxinins e os morcegos se adaptaram muito bem às cidades diante da destruição de suas florestas). Embora os animais de caça sempre tenham sido alimento para os povos com quem compartilharam seu habitat, hoje existe um mercado sofisticado de carne de caça para paladares gourmet que os leva, com seus micróbios, a milhares de quilômetros de sua origem, aumentando o risco de propagação de seus patógenos.

Mas talvez a maior fonte de doença seja o sistema de criação “industrial” de criação de animais destinados à nossa alimentação. Milhares de animais, como galinhas, porcos, vacas, estão criados em espaços superlotados, permanentemente alimentados com soja e milho, mantidos em condições insalubres e anti-higiênicas e para evitar a propagação das doenças lógicas esperadas dessas condições de vida, eles devem ser medicados “preventivamente” com os mesmos medicamentos projetados para seres humanos. O resultado foi provocar uma evolução artificial das bactérias até que se tornassem resistentes aos medicamentos com os quais animais e seres humanos são medicados. A gripe aviária e a gripe suína que surgiram nesse tipo de estabelecimento têm origem nesse tipo de superlotação, medicalização, contaminação e mutação de patógenos.

Montanhas de esterco do gado estabulado poluem terra e água (além de metano na atmosfera) e proporcionam aos micróbios dos animais oportunidades imbatíveis de transmitir à população humana. Uma adaptação da bactéria Escherichia coli, que apareceu nos confinamentos nos EUA nos anos 90, hoje infecta rodeios em todo o mundo com a característica de que, para as vacas, não é letal como acontece com nossos filhos (síndrome urémico hemolítico) comendo sua carne mal cozida, abaixo de 70 graus, rosa, suculenta, como é o costume em cozinhas de vários países.

Necessitamos de outra lógica para parar a epidemia e para que não venham outras. A primeira epidemia que devemos frear é a epidemia da destruição da biodiversidade que se aproxima de espécies profundamente distantes dos humanos em seus ambientes naturais, hoje invadidos pelo agronegócio. Devemos mudar os padrões de consumo conspícuo, que estimulam a produção de mercadorias desnecessárias vendidas como necessidades imprescindíveis. Esta economia nos condena a uma saúde precária ao converter o planeta em um grande provedor de matéria-prima, tornando nossa atmosfera irrespirável, nossa água imprópria para o consumo e nossa terra inabitável.

Precisamos modificar nossa maneira de pensar: fazemos parte de um sistema e hoje temos a oportunidade de mudar esse mundo, buscando como médicos gregos: “não faça mal”. Hoje, a agroecologia, o consumo responsável, o comércio justo são algumas das inúmeras alternativas à lógica comercial que prioriza apenas dinheiro e seus centavos e, com base nessa hierarquia, está destruindo a vida.

Essa epidemia, como as anteriores, foi anunciada repetidamente (de cientistas a diretores de Hollywood), mas a inércia da concentração de capital na dinâmica da vida está nos sujeitando não apenas a taxas extremamente altas de sofrimento desnecessário, mas agora está colocando em perigo a própria vida. Nesse caso, seríamos as únicas espécies que optaram por cometer suicídio em vez de remover o bolso de suas roupas.

Referências

Aguirre, P. (2017) Una Historia Social de la Comida. Lugar Editorial. Buenos Aires.

Aguirre, P. (2010) An Anthropological View on the Impact of Poverty and Globalization on the Emerging Epidemic of Obesity. En: Diabetes in Women. Wyckoff, J. Tsatsoulis, A. and Brown, J. edit. Humana Press. Serie: Contemporary Diabetes. Boston Mass.

Cartwright, ,F. Biddiss, M. (2005) Grandes Pestes de la Historia. Editorial El Ateneo. Buenos Aires

Patel, R. (2010) Obesos y Famélicos. Editorial Marea. Buenos Aires.

One Health Institute (2019) What we´ve found. https//ohi.sf.ucdavis.edu

Serie Agroecologia y COVID19 # 3 (Centro Latinoamericano de Investigaciones Agroecologicas – CELIA)

Abril 2020

Tradução ao Português: Romier Sousa, Educador do IFPA Castanhal e Vice Presidente Nacional da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA-Agroecologia); Islândia Bezerra, Professora da UFPR, Presidenta Nacional da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA-Agroecologia).

2 comentários

  1. José Alberto Fonseca da Silva
    José Alberto Fonseca da Silva

    O que vemos na realidade é que a ganância humana, a destruição da natureza, vai trazendo doenças e virus, destruidores e mortais.

  2. Leticia Cunha Fernandes
    Leticia Cunha Fernandes

    Texto tem sérios problemas com o uso de termos biológicos como “se adaptassem” “evoluíssem para” “desenvolver uma certa resistência”… a autora fez um bom texto mas os termos usados erroneamente e sem revisão de um biólogo comprometeram a leitura.

Deixar uma resposta